Cocô ligeiro

Com 3 anos, o Gabriel não conseguiu chegar até o banheiro, em um momento de “aperto”, e foi explicar o ocorrido para sua mãe. Com uma cara bem séria ele falou:

– Mamãe! O cocô não me avisou, ele foi para a minha barriga e correu para a minha cueca, foi muito rápido e ele não avisou, você tira ele?

Palavras…

Theo, com 3 anos e 10 meses, desvendando o “mistério” das palavras:

 Falando sobre aquele eletrodoméstico que nos ajuda a fazer sucos e panquecas:
– O liquidificador é o liquido-e-fica-a-dor, entendeu?

Falando sobre aquele eletrodoméstico que nos ajuda a limpar a casa:
– E o aspirador aspira-a-dor!

Ajudando o pai a instalar uma prateleira:
– Vou pegar o paraconfuso!

Deus digital

Artur, com 4 anos,  descobre uma nova interjeição:
 

– Meu deus!
 

– E tu por acaso sabe o que é deus? – quis saber sua mãe.

– O deus. – corrige Artur.


– Tá. O que que o deus faz?


– Ele forma pessoas.


– Ah, é? E como que ele faz isso?


– Assim (e faz uns gestos como quem está moldando massinha de modelar)… (pausa reflexiva)… Ou então, ele aperta uns botões.

Kit de sonhos

Bate-papo entre irmãos caminhando no parque…

Ian, 5 anos:
– Theo, essa noite entrou um sonho novo no meu kit de sonhos!
Theo, 8 anos:
– É, que legal. Mas foi sonho ou imaginação?

– Foi sonho.

– Ah, legal.
– Tem uns sonhos que são pesadelos que ficam ocupando espaço.
– E por que você não tira?
– Porque eu não tenho a senha pra desinstalar!

Liberdade assistida

Paulinho, com 5 anos, precisou acompanhar o pai em um dia de trabalho no escritório. Mesmo com algumas tentativas de entretenimento oferecidas pelos colegas do pai, ele ficou entediado, e resolveu riscar as paredes da sala.

Após uma bronca das grandes, Paulinho ficou muito bravo e declarou:

– Vou fugir de casa! 

Decidido, pegou sua mochilinha e foi em direção à porta. Mas, antes de sair, completou:

– Você me leva, papai?