Um sutil pedido de atenção

Daniel é irmão mais novo da Anninha por parte de pai. Os dois nunca moraram juntos, mas sempre que surgia a necessidade de alguém para ajudar com o pequeno, a irmã mais velha era a escolhida. 


Em uma dessas noites de babysitter, quando ele tinha uns 3 anos, Anninha decidiu levar uma amiga para lhe fazer companhia e Daniel não gostou nada de ter que dividir a atenção. Ele queria desesperadamente brincar e as meninas queriam desesperadamente assistir o último capítulo da novela.


Depois de muitos “vamos brincar!”, seguidos de muitos “schhh!”, e enquanto Anninha e sua amiga não piscavam os olhos em frente à TV, ele decidiu tomar uma atitude mais efetiva e falou:


– Vai começá a brincadera! Vai se iscondi-iscondi! Eu começo!


Correu para o lado da televisão e gritou:
Ponto! Pode olharem!

Sinceridade master

Téo, com 5 anos, foi visitar seu bisavô, que, todo orgulhoso, quis mostrar o quartinho de ferramentas para o bisneto. Durante a visita, o biso perguntou:

– E aí, o que achou, Téo?

E ele respondeu:

– Nossa… quanta coisa velha!

Outro dia, Téo chegou bem na hora da soneca do biso e logo falou:

– Você só nana? Vai trabalhar!

Quem é essa Dona?

O pai da Patrícia trabalhava em outra cidade. Chegava às sextas e todo domingo ela ficava bem triste quando sua mãe saía para levá-lo à rodoviária.

Um dia ela se cansou e resolveu intervir! E disse, muito brava:

– Ah, não, mãe! Mas de novo você vai levar o papai para a Dona Viária???

1001 noites e dúvidas

Luisa, com 7 anos, durante a leitura de uma história de “As 1001 noites”, em que a mulher engravida num relacionamento de apenas uma noite… 

 – Essa é a parte que eu nunca entendi: os pais dormem na mesma cama, aí um dia o tal espermatozoide vai flutuando!? (risos) encontrar a outra coisinha na barriga da mãe?

Bicho papão

A terapeuta de Sofia costuma aproveitar os assuntos de interesse das crianças para conduzir alguns trabalhos. Ao perceber que Sofia gostava muito do tema “Harry Potter”, ela resolveu assistir uma cena do filme (onde um “bicho-papão” se transforma no que as crianças mais têm medo) para, se possível, engatilhar uma conversa posterior. Terminada a cena ela comenta:

– Que coisa, né? Esse bicho-papão, então, é um bicho que vive dentro do armário e, quando sai, se transforma exatamente no que a gente mais tem medo… Para o Rony (personagem do filme), ele se transformou em uma aranha gigante… e para você no que ele se transformaria?

– Não sei.

– Não sabe? Ah, mas é só lembrar de alguma coisa que você tem medo de vez em quando. Você não tem medo de nada?

– Não sei.

– Não sabe ou não tem medo?

– …

– Pensa bem Sofia, pode ser alguma coisa que você não goste… No que poderia se transformar o bicho papão quando ele saísse do seu armário???

– Bom… ele podia se transformar numa pessoa que fica fazendo perguntas!

Diversas do Theo 4

Theo, com 3 anos e 9 meses, segue com suas contribuições…

Apresentando uma espécie de teatro:
– Preparem-se! Vai começar!
– Esperem-se! (arruma um brinquedo)
– Pronto! Olhem-se!

Voltando do cinema e contando sobre o filme:
– Foi bem legal, mas eu fiquei com um pouco de medo. Quando o jacaré apareceu, minha bunda pulou!

Narrando o movimento do elevador, quando foi buscar a pizza com o pai:
– Agora o elevador tá abaixando (na ida)
– E agora o elevador tá encimando (na volta).

Admirando o pôr do Sol:
– Olha, agora já tá anoiecendo!

Com uma virose forte e seu jeito dramático e metódico de ser:
Sua mãe fala:
– Filho, já vai melhorar, o Vô Luisinho vem te examinar aqui em casa e…
E ele responde muito preocupado e com voz de sofrimento: 
– Mas ele vem com roupa de médico?

Brincando de médico:
– Eu sou o médico, você é a enfermeira (para a mãe). Vou examinar esse bebê (pega um boneco).
– Ok, Dr. – responde a mãe.
– Enfermeira, pega o estetoscópico, por favor.
– Tá aqui, Dr.
– Obrigado. (examina o bebê). Ih, o bebê tá chorando. Enfermeira, canta uma música bem relaxosa pra acalmar o bebê, tá bom?

Montando um quebra-cabeça/livro:
– Essa peça é a maior de todas, é gigrande!

Criando palavras:
– Theo, pega a fita crepe lá no quartinho, por favor – pede a mãe.
– Onde? No quartinho da lavandeíra?

Em processo de recuperação da virose:
– Filho, como você está se sentindo?
– Ah, eu tô bem melhor, não tô mais molinho, não, já tô todo duro de novo.