Últimas do Ian

Ian, com 2 ans e 3 meses, adora balançar e no sítio chega a ficar uns vinte minutos entretido com o vaivém. Em um dia desses, sua mãe perguntou:

– Tá cansado, filho?

E ele respondeu:

– Não, mãe, “tô velaxando”…

 

 

E antes disso, ele declarou animado:
– Mamãe, eu não “xô” neném!

– Não, meu amor, você cresceu, né?

– É! Eu “xô” filhinho!

 

 

Inspirações do Miguel

E o Miguel continua inspirado em suas reflexões sobre a vida, Deus e outras “cositas más”…
Dia desses ele acordou e, antes mesmo de escovar os dentes, explicou para seus pais:
“Não se preocupem com o serêm, tudo será, tudo vem”. 
 

No mês passado, percebeu uma bonita relação na fauna que nos rodeia e lançou a ideia:

“Na terra vivem os tatus, na vida vivem as borboletas, os passarinhos e as águias”.
E, certa noite, ficou pensativo e fez um convite para sua mãe:
 
– Mãe, um dia, quando tiver de noite, a gente pode ir lá fora ver se Deus manda gases pra gente?
 
-Manda gases? – quis entender a mãe.
– É, lembra um dia que a gente foi no sitio da Sissi e Deus mandou gases pra gente que explodiam no céu assim: pow, pow, pow! E era colorido!

Lição com dramalhão

Beatriz, com 6 anos, tinha bastante lição de casa para fazer.

– Beatriz, vai fazer a lição. – pede sua mãe.
 – Já vou, mamãe, estou com fome. – explica Bia.

Meia hora e uma bisnaguinha com nutella, mais tarde… 

– Beatriz, vai fazer a lição! – pede, com mais ênfase, sua mãe. 
 – Já vou mamãe, estou com sono.

Mais uma hora e muitos desenhos depois… 

– Beatriz, vai fazer a lição!
 – Já vou mamãe, estou com dor de barriga. – responde Beatriz,  já com um início de dramatização.

Mais meia hora… 

– Beatriz, vai fazer a lição! 
 – Não consigo, mamãe… – e a dramatização fica mais elaborada…

– Beatriz, pára de se fazer de coitada e vai fazer a lição!
 – Eu não tô me fingindo de coitada. Eu sou coitada!!! – finaliza a mocinha, que, depois de exercitar bastante sua veia artística, conclui a lição rapidamente, às 17h30.


Palavrão

Théo, com 3 anos e pouco, dia desses surpreendeu sua mãe dizendo:
– BUNDA!
 Depois de uma leve repressão, ele se defendeu:
– Mamãe, mas BUNDA é um palavrão simples.

– Como assim, filho? Quem te falou essa história de “palavrão simples”- quis saber sua mãe.

– Eu, mamãe, porque tem outros palavrões que não são simples e são MUUUITO feios.

Com medo da resposta, ainda assim sua mãe perguntou:
– Quais por exemplo, Théo?
 
E ele prontamente repondeu:

CALABOCA. Calaboca é um palavrão não-simples!

Diversas do Theo 6

Theo, com 4 anos e 2 meses, ficou inspirado semana passada e contribuiu bastante para o blog:
No final de uma tarde, fazendo bolo de cenoura:
– Agora vou colocar o fermento… (pausa)… Olha, o fermento é o aniversário do bolo!
– Por que, Theo?
– Porque ele faz o bolo crescer!


Em um momento antes de dormir:
– Ô mãe, quando eu crescer eu quero ser tudo, tá bom?

E no dia seguinte no carro, no meio de uma conversa com o pai:
– … e como é a sua mãe? – pergunta Mauricio.
E depois de uma breve pausa, Theo responde:
– Ela é legal, é grande e é muito gostadora das pessoas.

Vendo o mundo com poesia

A Olívia, com dois anos, queria entender o que é trabalhar. Durante a explicação, seus pais disseram que um dia, quando estiver grande, ela provavelmente vai querer trabalhar também.

Depois de pensar quietinha por um tempo, ela olhou para uma enorme torre de telefonia que fica perto da casa (e que até então seus pais achavam horrenda) e disse, com imensa alegria:

– Ah, eu vou trabalhar ali, na torre de botões!

Diversas do Gael 2

Gael, agora com 2 anos e 5 meses, vai ganhar um cartão fidelidade aqui do blog 🙂

Empréstimo
Gael: – Esse mamá é meu!
Sua mãe: – Não senhor! Esse mamá é meu!
Gael: – Mai você empéta ele pa mim então?



Loiro bonitão
– Eu apaêço o Bed Pit. 


Crise de identidade
 – Eu um elfo piloto de banana!
  


Gerenciando as tarefas domésticas
– Filho quer descer, não vai mais comer?
– Não, eu não quélo mai papá.
– Tá bom, deixa eu te limpar…
Puquê?
– Porque você tá sujo, caiu comida aqui, olha.
Ímpa o Gael e ímpa a pia também!