Diversas do Gael 3

Gael agora está com 2 anos e 10 meses e fazia tempo que não aparecia aqui no blog. Mas isso não quer dizer que ele tenha parado sua incessante produção de pérolas :). Aqui as últimas amostras produzidas no segundo semestre de 2013 e agora no início de 2014:

Refletindo sobre irmãos
– Gael, você quer um irmãozinho? – brinca sua mãe.
– Eu quéo! Um neném? – anima-se Gael.
– É, um nenenzinho pequenininho, bem bonitinho. Você quer?
Quéo!
– Você vai cuidar dele?
.
– Você vai deixar ele brincar com seus brinquedos?
Ãhn?
– Você vai deixar ele brincar com suas coisas, com seus carrinhos, com sua bola?
– Aaaaahhh, não, não quéo imãozío mais!


Pintando
 

Tabe, daquela vez? Eu pintei! – conta Gael.
– Você gosta de pintar? – pergunta seu tio.
– Eu góto!
– E o que você pintou?
– Ah, o papel! 

Com um paladar aguçado

Quéo comê um tizolo!
– O quê, filho?
– Um tizolo!
– Um tijolo???
– Nããão! Aquele de a-ôz com môio!
– Ah, tá, um risoto!
– É, isso, é itôto na vidádi!



Refletindo sobre peixes 

– Mãe, o pêsse picisa de asa, né?
– Não filho, é nadadeira!
Pu quê é nadadeia?
– Pra nadar, filho… quem precisa de asa é o passarinho, pra voar, não é?
– Ma o pêsse já tem nadadeia, agóa ele picisa de asa!

(É, pensando bem…)

Mamando
– Esse mamá é meeeeu! – declara Gael.

– Não, ele é meu! – corrige sua mãe.
Ma o biquinho dele é meu!


No playground

– O que é aquio? – pergunta Gael.
– É um escorregador. – responde sua mãe.
– Posso icoegá?
– Pode! Mas você vai sozinho?
– Não, eu bunda móni!



Na piscina

E finalmente, ele entrou na piscina. E então proclamou:
– Não bunda móni mais.
 
 Com sede e sem brincadeira

Quéo suco di uva! – pede Gael.
– De novo? Sério? – responde sua mãe.
Umhum.

Mas ela estava distraída e esqueceu de atender o pedido. Então, depois de três minutos, Gael volta com um pedido mais claro:

– Mamãe, quéo suco di uva séio!

Gael Quintana
– Gael, o Papai Noel é novo?
– Nãããão! Ele é estagado!
– E você? Você é véio ou novinho?
– Eu sou passaínho!

Casa Notável!

Quando tinha uns 3 anos, o Diego foi com os avós pra casa de campo de amigos da família.
Era uma casa muito luxuosa e todos estavam curtindo as mordomias.
Em um dos dias, durante um banho de piscina, Diego ficou tão entusiasmado com o conforto do lugar, que disse:
– Nossa Vô, essa casa é muito otávia, né?”

Histórias da Mano

Manoela também coleciona histórias de crianças e compartilhou algumas aqui com a gente:

Certa vez, ela foi contar histórias para as crianças da primeira série de uma escola, que estavam estudando os contos de fada. Contou duas: um conto de fadas e um conto popular e, em seguida, propôs uma conversa:

– Essa segunda história é um conto de fadas?
– Nãããão! –  As crianças responderam
– Por que não?
E, então, um menininho se levantou e disse:
– Porque nela não tem mágica, só tem esperança.
Outro dia, em um buffet infantil onde Mano trabalhou, os monitores fizeram uma proposta: 
– Quem quer desenhar?
E um menino, chamado Caio e de 5 anos, respondeu sério com outra pergunta:
– Depende. É uma atividade?
– Como assim? – perguntou Manoela.
– Porque se for atividade eu não quero. Odeio atividade!

Bicho papão

A terapeuta de Sofia costuma aproveitar os assuntos de interesse das crianças para conduzir alguns trabalhos. Ao perceber que Sofia gostava muito do tema “Harry Potter”, ela resolveu assistir uma cena do filme (onde um “bicho-papão” se transforma no que as crianças mais têm medo) para, se possível, engatilhar uma conversa posterior. Terminada a cena ela comenta:

– Que coisa, né? Esse bicho-papão, então, é um bicho que vive dentro do armário e, quando sai, se transforma exatamente no que a gente mais tem medo… Para o Rony (personagem do filme), ele se transformou em uma aranha gigante… e para você no que ele se transformaria?

– Não sei.

– Não sabe? Ah, mas é só lembrar de alguma coisa que você tem medo de vez em quando. Você não tem medo de nada?

– Não sei.

– Não sabe ou não tem medo?

– …

– Pensa bem Sofia, pode ser alguma coisa que você não goste… No que poderia se transformar o bicho papão quando ele saísse do seu armário???

– Bom… ele podia se transformar numa pessoa que fica fazendo perguntas!

Frio? Por Deus…

Vinicius tem seis anos e, mesmo em dias dias de muito frio, detesta se agasalhar. Ele vai passar um dia inteiro com amigos do curso de Inglês e se recusa a colocar uma blusinha de frio. 

Certa vez, com os termômetros marcando oito graus, sua mãe não aguentou e colocou muitos casacos em Vinícius. Bem contrariado, ele tentou explicar:

– Mãe você é OBSESSIVA! Parece doida me enchendo de blusas, não tô com frio!

Até hoje ninguém sabe de onde ele tirou esse “diagnóstico psiquiátrico” para a mãe :), mas a explicação de Vinicius para sua falta de frio (e também para outras atitudes diferentes) é a fala:

– Foi Deus que me fez assim!