Tiro ao álvaro no museu

Cauã, com 5 anos e meio, foi ao museu e observou muitas coisas.

– O que você viu no museu? – pergunta sua madrasta.

– Desenhos de gente morta. – responde Cauã.

– Que tipo de desenho?
– Tinha um que… “♪ ♫ de tanto levar, flechada do seu olhar ♪ “… FLECHADA! Ele morreu com 5 flechadas!

(E viva São Sebastião, retratado com flexas no peito).

Duas do Pedro

Pedro é irmão da Mariana e, com seis anos de idade, também contribui bastante para a filosofia da casa…

…percebendo as diferenças “pedagógicas” das mães…

– Ainda bem que as mães não são todas iguais: elas não proíbem as mesmas coisas, não mandam igual…
– Por que você tá falando isso? – pergunta a mãe.
– Você, por exemplo, nunca manda a gente lavar as mãos antes de comer.
(pelo jeito as mães dos amigos dele mandam bastante…)


… na hora do lanche, um pouco bravo…

A mãe do Pedro morde o último bolinho de chuva e ele diz:
– Poxa, mãe, mas eu te pedi pra você guardar um pra mim!
Cheia de culpa, ela responde:
– Desculpa, filho, eu esqueci… Pega, come essa metade.
– Eu não! Eu não quero seus micróbios!

Mais anatomia humana

Assim como a Mariana, que descobriu que o papai tem pipi e ela tem umbigo, o Joaquim, quando tinha 2 anos e meio, também fez uma descoberta fantástica:
– Eu tenho peru! – constatou animado.
– Sim, Joaquim, você tem peru. – confirmou sua mãe.
– O vovô Xalá tem peru! O vovô Zé tem peru!
– E a vovó Lygia? – perguntaram para complicar.
Após uma longa pausa para pensar, surge então a resposta:
– Ah, a vovó Lygia tem peruca!!!
———————————–
E a Iara, de 1 ano e 11 meses, também vai entrar para o grupo de estudos de anatomia humana:

– As meninas tem xoxotaaaaaa!

– E os meninos? – quis saber sua mãe.

– Xuxutuuuuu!!!

País zinho

Delícias da sala de aula da prof. Nanci:

– Nanci, sabe qual é o mais menor país do mundo? – pergunta um aluno de 6 anos.
– Não existe “mais menor”. – explica a professora.
– Ah tá, mais pequeno!
– Ainda não, pode melhorar…
– Ah, sei, menor!!!
– Isso! E qual é o menor país do mundo?
– Aiaiaiai, é tanta coisa pra falar que agora esqueci o país!

Mas no dia seguinte ele fez melhor, levou um livro para ajudar a responder e declarou animado:


– Aqui ó, é o Plutão!

Deus e anjo da guarda

Alice é irmã da Rita e também tem ótimas histórias para compartilhar com a gente:

Quando tinha 5 anos, durante uma tarde chuvosa e com o carro quebrado, precisou pegar um táxi com sua mãe para voltar para casa. O trânsito estava praticamente parado e, no meio do percurso, Alice ficou com sede e reclamou insistentemente por água. 

Diante da dificuldade toda da situação, a mãe pediu para ela esperar, para ela entender, e deve ter usado argumentos bem tocantes, porque Alice não só parou de reclamar, como ainda completou:
 
 – Também… Não sei porque Deus foi me fazer assim com tanta sede!

………….


E quando não está com sede, Alice adora passear e não gosta nada de ficar parada em casa. Com dois anos e pouco, foi rezar junto com a avó e no final da prece, ouviu:

– Anjinho do céu, guarda mamãe, guarda papai, guarda Alice…

E interrompeu na hora, bem determinada:

– Alice não! Não guarda a Alice, não, porque ela quer passear!

Chocolate desobediente

Ceci, com 1 ano e 11 meses, acabou de conhecer o sabor dos chocolates e ganhou um bombom do avô. Sua mãe logo explicou:

– Ceci, agora não. Só depois do jantar.

Passado um tempo, a mãe desconfia do silêncio e vai até a sala ver o que está acontecendo.
Quando chega vê a menina abrindo o bombom não autorizado… Ceci, ao perceber a presença da mãe, joga o chocolate longe e diz com cara de brava:

Cocoiate, fica aí!!!!!

cocoiate

Metrô delícia!

Cora, com dois anos, estava tomando café da manhã e observando atenta uma conversa, quando sua mãe comentou:

– Daí, Fulana, é só descer na estação Brigadeiro e…

E a pequena arregalou os olhos, fez carinha de marota e logo acrescentou:

Bigadeio! Eu tumi, mãe!

Buraquinho

Clara com 2 anos e pouco, explorando sua propria orelha…

 – Mamãe, minha orelha quebrou!

 – Imagina filha, mostra pra mim…
(Clara mostra o buraquinho do ouvido)

– Ah filhota, é só o buraquinho da orelha, todo mundo tem.

 – Mamãe, deixa eu ver seu buraquinho? O papai também tem buraquinho?
orelha
(história enviada pela Graziela)