Frutos do mar e maionese

Theo, ainda com quatro anos e nove meses, saindo da escola e voltando no carro:

– Se existe cavalo marinho, existe vaca marinha? – pergunta o mocinho.
– Não, mas existe Peixe-boi… – responde sua mãe.
– Tá.
– E como foi na escola hoje?
– Foi legal, a Letícia foi, mas a Sofia faltou.
– Ela deve estar viajando.
– Ela tá viajando na maionese! (Rindo sozinho). Ô, mãe, como é que viaja na maionese?
– É um jeito de falar, né, filho. Quando alguém está distraído, não escuta o que o outro diz ou quando tá pensando em muitas coisas e nem percebe o que acontece na hora.
– Tá.
Após raro momento de silêncio, a mãe muda o caminho para comprar produtos de limpeza.
– Ô mãe, onde a gente tá indo?
– No supermercado.
– Onde?
– No supermercado!
– Onde?
– No supermercado!! Que foi, Theo, tá com o ouvido sujo?
– Não, né, mãe, tô viajando na maionese! (E volta a dar risada, feliz da vida)

maionesecrédito da imagem: guiadoscuriosos.com.br

Miguel, partos e reencarnações

Miguel, após conhecer sua prima que acabara de nascer e mostrando-se bem informado sobre a fisiologia reprodutiva feminina:
– A Jaci, com essas bochechas enormes…nossa…deve ter sido difícil passar pela xoxota da tia Nani pra nascer!
E recorrendo a “filosofia reencarnacionista” para argumentar com sua mãe:
– Mãe, sabe porque eu não posso dar para o Benjamim essa bicicleta que ficou pequena para mim? Porque quando eu morrer e nascer outra vez, eu vou ter 5 anos de novo, então, tenho que deixar ela guardadinha.

O assassinato da formiga

A mãe de Valentina, de 3 anos e 4 meses, andava distraída e pisou em uma formiga.

– Mamãe, você pensou que a formiguinha não vai mais respirar? Que ela morreu?? Que ela não vai mais comer comidinha??? – pergunta a pequena.

A mãe, já emocionada, tenta responder e acalmá-la, mas Valentina continua impassível:

– E que ela tem uma filhinha que não tem mais mamãe!! Você sabia?!!

formigas

 

(história enviada por Jane / imagem: pixabay)

Theo no hotel

No final de 2013, Theo (4 anos e 5 meses)  viajou com sua família para um hotel fazenda. Chegando lá, ele foi apresentado aos “tios” que faziam muitas brincadeiras com as crianças. 
No dia seguinte, Theo chegou no quarto com uma grande revelação:
– Pai, sabe de uma coisa?
– O quê?
– Eu vi que os tios na verdade são monitores!
Um pouco mais tarde, quando seu irmãozinho reclamava para passar o filtro solar, ele explicou:
– Ian, para de reclamar, tem que passar o protetor. É o protetor que protetora a gente.

E, durante um passeio com os cavalos, Theo descobre que o cavalo de sua mãe chama-se “Sensação”.

– Mãe, o Sensação é macho, né?
– É, o moço disse que é, lembra?
– É, né, porque se fosse fêmea tinha que chamar Sensaçona!

Pedágio para viagens





Gael V., com 3 anos, iniciando seu planejamento financeiro:

– Mamãe, vamos pegar o avião para ver a Vale e o Nei? (em Florianópolis).

– Gael, primeiro eu preciso juntar dinheiro para a gente ir. – explica sua mãe.


– Eu tenho dinheiro, mamãe! Eu tenho um pedágio, meu dinheiro tá lá. – responde o mini economista.

No ritmo

A mãe de Eric, de 6 anos, ganhou uma máquina de lavar dessas bem antigonas, mas que ainda funcionava bem.

Logo que a máquina chegou, ela aproveitou para centrifugar umas roupas e foi arrumar outras coisas na casa. Quando voltou para a lavanderia, encontrou Eric parado e boquiaberto diante do eletrodoméstico.

– O que foi, filho, nunca viu uma máquina de lavar roupa? – perguntou a mãe.

E Eric respondeu, ainda impressionado:

– Que lava e dança, não!

Exceção!

Amanda tem um primo, chamado Bráulio, que é só 6 meses mais novo que ela.
Quando eles tinham uns 4 ou 5 anos gostavam muito de brincar juntos e, sempre que possível, o Bráulio ia brincar na casa da Amanda. No final de um desses dias, quando Amanda e o pai foram levar Bráulio de volta para a casa dele, encontraram tudo fechado.

Ao ver a cara de decepção de Bráulio, Amanda correu até a porta, pegou um bilhete imaginário e leu em voz alta:
– “Bráulio, precisei sair. Me espere e não vá pra lugar nenhum, exceto pra casa da Amanda”.

Logo tudo se resolveu, pois a mãe de Bráulio, que realmente tinha precisado sair, voltou logo.

Quando soube da história, Lenina, uma das irmãs mais velhas de Amanda perguntou:

– Mas você sabe o que significa “exceto”, Amanda?

E ela respondeu com um ar de “claro que sei”:
– Ai, Le, exceto é bichinho que voa!