Barrigão

Com 5 anos, Cauã visitou seu padrinho, Pedro, que é casado com a Mariana, e que logo mais vai ser papai. Depois de curtir a barriga da Mariana, ele declarou:
 

– Quero ver logo a Manô de barrigão!

E, gritando para o outro lado da rua, onde estava seu pai, pediu:

– Papai, você pode por logo uma sementinha nesse teu bingulin?

– A sementinha já tá aqui, filho. – explicou o pai.
 
– Já? Já tem uma sementinha?
 
– Uma não, várias.
 
– Várias???? Duas?
 
– Não, Cauã, milhares.
 
– Milhares? (com olhos arregalados) Imagina o TAMANHO da barriga da Manô!!!

Deus e anjo da guarda

Alice é irmã da Rita e também tem ótimas histórias para compartilhar com a gente:

Quando tinha 5 anos, durante uma tarde chuvosa e com o carro quebrado, precisou pegar um táxi com sua mãe para voltar para casa. O trânsito estava praticamente parado e, no meio do percurso, Alice ficou com sede e reclamou insistentemente por água. 

Diante da dificuldade toda da situação, a mãe pediu para ela esperar, para ela entender, e deve ter usado argumentos bem tocantes, porque Alice não só parou de reclamar, como ainda completou:
 
 – Também… Não sei porque Deus foi me fazer assim com tanta sede!

………….


E quando não está com sede, Alice adora passear e não gosta nada de ficar parada em casa. Com dois anos e pouco, foi rezar junto com a avó e no final da prece, ouviu:

– Anjinho do céu, guarda mamãe, guarda papai, guarda Alice…

E interrompeu na hora, bem determinada:

– Alice não! Não guarda a Alice, não, porque ela quer passear!

Porque, Porque, Por quê?

Mattias, descobrindo os porquês…
– E por que, mãe?

– Por que tá inverno?

– Por que o jacalé é cainívolo?

– Por que a malé tá cheia?

– Por que a Côli tá tão goiducha?

– Por que a Matilda tem rabo?

– Por que não vai chover hoje?

-Filho, melhor deixar essa faca quieta.
-Por que, mae? Será que ela fala?

Exceção!

Amanda tem um primo, chamado Bráulio, que é só 6 meses mais novo que ela.
Quando eles tinham uns 4 ou 5 anos gostavam muito de brincar juntos e, sempre que possível, o Bráulio ia brincar na casa da Amanda. No final de um desses dias, quando Amanda e o pai foram levar Bráulio de volta para a casa dele, encontraram tudo fechado.

Ao ver a cara de decepção de Bráulio, Amanda correu até a porta, pegou um bilhete imaginário e leu em voz alta:
– “Bráulio, precisei sair. Me espere e não vá pra lugar nenhum, exceto pra casa da Amanda”.

Logo tudo se resolveu, pois a mãe de Bráulio, que realmente tinha precisado sair, voltou logo.

Quando soube da história, Lenina, uma das irmãs mais velhas de Amanda perguntou:

– Mas você sabe o que significa “exceto”, Amanda?

E ela respondeu com um ar de “claro que sei”:
– Ai, Le, exceto é bichinho que voa!