Diversas do Theo 3

Theo, com 3 anos e 8 meses, cada vez mais ativo aqui no blog…

Sem misticismo

Depois de uma tempestade, entram raios de sol pela janela, que passam por um cristal pendurado e se decompõem em uma dezena de reflexos coloridos, dançando na parede.
Theo pergunta:
– Olha, o que é isso, pai?
E o pai, querendo estimular a imaginação, responde:
– Não sei, filho. Acho que são mosquinhas que vieram do espaço!
Alguns segundos depois de examinar a situação, o pequeno observa:
– Não, pai. Eu acho que é a luz do sol que passou pelo vidrinho e fez isso.

Advérbio de modo cuidadoso

– Mãe, a gente tem que guardar essas pecinhas comcuidadomente, tá?



Irmão mais velho

Conversando com a avó, sobre ser um irmão mais velho:
– Tetheo, você é o irmão mais velho, precisa proteger seu irmãozinho e não assustá-lo gritando. Você é o protetor.
– Tá maluca, vó, protetor é solar, a gente usa na praia!

Filosofia profunda

– Pai, quando o planeta vai acabar?
– Ah, o planeta não acaba assim, filho.
– Por que não acaba? Ele não começou? Se começou, tem que acabar!

Skype de cristal

Conversa por Skype no intervalo de um  jogo da Copa do Mundo:

– Tia, que horas são aí? – pergunta Valentina aqui do Brasil.

– Oito da manhã. E já é quarta feira – responde Maria, lá da Nova Zelândia.

– Nossa, 8 da manhã?!

– É, Valen, aqui eu já estou no futuro…

– Tia, e o Brasil ganhou o jogo aí??

copadomundoimagem: wikipedia.org

 

Das finitudes do mundo

Theo, com 6 anos e 4 meses, filosofando logo de manhã…

– Mãe, vou te falar uma coisa: o mundo não tem fim, a gente sim!

– Que legal, filho. Onde você ouviu essa frase?

– O que é frase?

– Isso que você falou, onde você ouviu?

– Ah, não, eu não ouvi em nenhum lugar, eu formei na minha cabeça agora.

 

theend

imagem: Pixabay

 

Diversas da Lina 2

Lina, com 3 anos, um pouco brava com alguns alimentos:


– Papai, esta laranja é ogânica! Você gosta?
 

– Sim, e você?
 

– Eu não sou ogânica!


Com soninho, argumentando com sua mãe:

– Lina, tenta dormir sem chupar dedo, você sabe que não é bom pra você…

– Só mais um pouquinho, mamãe, até acabar!

E brincando com um amiguinho, sem medo das coisas da vida:

– Vamos brincar de morrer? – propõe Lina
– Mas antes eu preciso trabalhar. – explica o amigo
 
– Mas eu vou morrer!
 
– Tá bom.

Uma escola diferente

A Eva, filha da Tathi, tem quase dois anos e ama desenhos animados. Já viu quase todos os clássicos da Walt Disney e agora está vidrada no Pinóquio. 

Dia desses, ela chamou a mãe e falou com a maior convicção: 
– Mãe, eu vou para a escola!
Como ainda não tinha comentado nada sobre o tema “escola”, Tathiana estranhou e perguntou:
– Mas com quem você vai para a escola?
E a Eva respondeu com a maior cara de levada:
– Eu vou para a escola com o Pinóquio!
(essa só vai entender quem já leu ou assistiu a história do boneco de madeira que queria ser menino 🙂

Fim do mundo

Miguel, 8 anos, conversando com o pai:

– Pai, o mundo vai acabar um dia?
– Sei lá, mas acabar como, filho?
– Morrer, se destruir em vários pedaços…
– Mas aí nós iríamos morrer?
– Não pai, iríamos ficar flutuando no espaço até encontrar outro planeta para viver…
– Entendi. E qual planeta você queria viver?
– Não sei, mas Marte não dá pois é muito perto do Sol…. Hum, acho que iria querer viver em Saturno para poder patinar nos anéis!

Diversas do Theo 4

Theo, com 3 anos e 9 meses, segue com suas contribuições…

Apresentando uma espécie de teatro:
– Preparem-se! Vai começar!
– Esperem-se! (arruma um brinquedo)
– Pronto! Olhem-se!

Voltando do cinema e contando sobre o filme:
– Foi bem legal, mas eu fiquei com um pouco de medo. Quando o jacaré apareceu, minha bunda pulou!

Narrando o movimento do elevador, quando foi buscar a pizza com o pai:
– Agora o elevador tá abaixando (na ida)
– E agora o elevador tá encimando (na volta).

Admirando o pôr do Sol:
– Olha, agora já tá anoiecendo!

Com uma virose forte e seu jeito dramático e metódico de ser:
Sua mãe fala:
– Filho, já vai melhorar, o Vô Luisinho vem te examinar aqui em casa e…
E ele responde muito preocupado e com voz de sofrimento: 
– Mas ele vem com roupa de médico?

Brincando de médico:
– Eu sou o médico, você é a enfermeira (para a mãe). Vou examinar esse bebê (pega um boneco).
– Ok, Dr. – responde a mãe.
– Enfermeira, pega o estetoscópico, por favor.
– Tá aqui, Dr.
– Obrigado. (examina o bebê). Ih, o bebê tá chorando. Enfermeira, canta uma música bem relaxosa pra acalmar o bebê, tá bom?

Montando um quebra-cabeça/livro:
– Essa peça é a maior de todas, é gigrande!

Criando palavras:
– Theo, pega a fita crepe lá no quartinho, por favor – pede a mãe.
– Onde? No quartinho da lavandeíra?

Em processo de recuperação da virose:
– Filho, como você está se sentindo?
– Ah, eu tô bem melhor, não tô mais molinho, não, já tô todo duro de novo.
 

Novos doces

No Natal, Theo (ainda com 4 anos e 5 meses) comeu muitos doces e também tomou Sol:
Na beira da piscina:
– Mãe, eu comi aquele doce que a Monique colocou na churrasqueira!
– Qual?
– Aquele branquinho, o Marchinelo!
– Nossa, como a Giovanna tá branquinha, né, Theo? – observa sua tia.
– Por que ela tá tão branquinha? – quis saber Theo.
– Ah, acho que é porque ela toma muito leitinho…
– Ah…
(pausa reflexiva)
– E você, tia Fátima, você tá bem pretinha, então você toma leite com Mescau?

Na hora do jantar, cheio de frescura:

– Mãe, não coloca comida no meu prato, não. Você deu aquele doce pro Ian e agora sua mão tá com esse cheiro bananesco, eca!