Casamento

Aula de História, 7º anos (ou seja, alunos de cerca de 12 anos). A professora explica:

– Na Idade Média o casamento entre nobres não tinha nada a ver com amor, tinha a ver com interesses políticos, as mulheres não tinham muita escolha, eram obrigadas a se casar com quem seus pais determinassem…

E, em quatro turmas diferentes a reação das meninas foi unânime:
– Mesmo se o cara fosse feio???!!!!

Reflexões matinais

Theo, com 5 anos e meio, ainda na cama com suas reflexões matinais e conversando com a mãe cheia de sono:
– Mãe, pra que servem os números? Pra contar as coisas?
– Sim.
– E pra que servem as tintas? Pra pintar as coisas?
– Sim.
– E pra que servem as letras? Pra escrever as coisas?
– Siiim…
(Falando e rindo sozinho) – Ai, ai, ai… Quanta coisa cabe na minha cabeça!

Depois do café da manhã, ele foi ver uma semente que achou na floresta e plantou com o pai:
– Nossa! Nasceu um galho! Bem grande!
– É grande mesmo e cresceu muito rápido! Acho que essa semente é de uma planta igual ao pé de feijão mágico e vai chegar na casa do gigante, hein, Theo?
– Ahhh, mãe, isso não existe… mas existe que é semente mágica, isso sim!

feijao

Quando as coisas funcionam ou não…

Victor é primo do Rafael e, quando tinha 2 anos, viu o pai consertar a válvula da descarga e foi contar para a tia, todo animado:

Meu pai consertou a descarga e agora tá  consionando!!!

—-

E o Pedro, com 3 anos, ficou intrigado quando o controle remoto não mudava os canais e reclamou com o pai:


Dóga, esse contole não fununcia!

—-
(O Victor e o Pedro, precisam conversar com o Lúcio sobre essas coisas que não sanfoniam, né?)

História objetiva

Henrique! Com 1 ano e meio, após passar o fim-de-semana com a avó materna, volta falante e olha para o céu:

Cópteo!

– Olha só filho, que legal! Onde está o helicóptero? – pergunta sua mãe.

– Céeeeu! – responde Henrique, animado.

– E o que ele está fazendo?

– Caiu!

– Caiu? E depois?

– Buuuum!

– E agora?

Abô!

E sai andando, bastante satisfeito com o fim da história.


Alaranjado

Catarina (4 anos) conversando com o primo Caio:

– Caio, Caio, Caio, Caio! Vamos brincar de “meus olhinhos estão vendo”?

– Como é?

(Ela explica que teria que dizer a cor de algo que estava vendo e ele teria que adivinhar o que era)

– Beleza, vamos brincar. Pode começar, Catarina.

Alguns segundos depois…

– Meus olhinhos estão vendo uma coisa laranja!

Dez tentativas depois…

– Desisto, Catarina! Diz pra mim o que é…

– Teu dente!

laranja

imagem: pixabay

(história enviada por Caio)

Bicho papão

A terapeuta de Sofia costuma aproveitar os assuntos de interesse das crianças para conduzir alguns trabalhos. Ao perceber que Sofia gostava muito do tema “Harry Potter”, ela resolveu assistir uma cena do filme (onde um “bicho-papão” se transforma no que as crianças mais têm medo) para, se possível, engatilhar uma conversa posterior. Terminada a cena ela comenta:

– Que coisa, né? Esse bicho-papão, então, é um bicho que vive dentro do armário e, quando sai, se transforma exatamente no que a gente mais tem medo… Para o Rony (personagem do filme), ele se transformou em uma aranha gigante… e para você no que ele se transformaria?

– Não sei.

– Não sabe? Ah, mas é só lembrar de alguma coisa que você tem medo de vez em quando. Você não tem medo de nada?

– Não sei.

– Não sabe ou não tem medo?

– …

– Pensa bem Sofia, pode ser alguma coisa que você não goste… No que poderia se transformar o bicho papão quando ele saísse do seu armário???

– Bom… ele podia se transformar numa pessoa que fica fazendo perguntas!

Túnel

Clara, com dois anos e pouco, conversando com a mãe…

Assistindo um clipe do Palavra Cantada:

– Mamãe, quem é esse?
– Você já sabe filha.
– É Arnaldo Antúnel, é??

Voltando de Bertioga, litoral de São Paulo:

– Mamãe, olha o túnel!
– Nossa que legal, né, filha?
– Mamãe, lá fora tá ispelando a gente. A gente já tá chegando…

tunnel

imagem: pixabay

história enviada pela Graziela

Kit de sonhos

Bate-papo entre irmãos caminhando no parque…

Ian, 5 anos:
– Theo, essa noite entrou um sonho novo no meu kit de sonhos!
Theo, 8 anos:
– É, que legal. Mas foi sonho ou imaginação?

– Foi sonho.

– Ah, legal.
– Tem uns sonhos que são pesadelos que ficam ocupando espaço.
– E por que você não tira?
– Porque eu não tenho a senha pra desinstalar!