Futebol geográfico

O Pedro, com 3 anos e meio, estava em Florianópolis conversando com o Jairo, amigo da sua mãe, e resolveu contar algo que estava acontecendo na sua casa. Para entender melhor, o Jairo pergunta:

– Lá em São Paulo, Pedro?

De repente, ele fica muito bravo e responde:

– Nããão, Xão Paulo, não!

– Ué, mas como é o nome da sua cidade, então? – quis saber Jairo.

Nessa hora a cara feia desaparece, ele abre um sorrisão e diz:

Corinthiaaassss

Alta Gastronomia

Miguel, com 4 anos, estava descobrindo a alta gastronomia. Um dia, depois de preparar um delicioso sanduíche de bolacha de água e sal recheada com uva passa, ele chamou sua mãe e disse:

– Olha o que eu fiz, experimenta mãe! 

– Hum…que delicia!  – observou a mãe, depois de provar a invenção.

E, sem modéstia, ele concluiu:

– Viiiiu! Eu sou um cozinhor!

Música, fotos e partos

Gael, com três anos e um mês, no carro com sua mãe:

– Mamãe, na casa da vó Maía passa o Maique… Maique… é… Maique…
– Mike, o Cavaleiro, filho?
– Não, o Maique Djésson!

E, com a câmera no pescoço, brincando de tirar foto:

– Mamãe, eu sou fotófo também. Eu não faço o bebê nascê, eu só tio foto.

A mãe, que é uma fotógrafa conhecida pelo seu lindo trabalho com partos, precisa de uma pausa para se recuperar da emoção. Depois, pergunta:

– Então quem é que faz o bebê nascer?
– Ah, é a mamãe dele!

E a conversa continua um tempinho depois…

– Mamãe, aí o neném nasceu. Eu tiei foto, óla!
– Ah, que linda a foto, filho! E como ele nasceu, me conta?
– Na casa dele. Pela pepeca. Óla, que bunitinhu

fotografo

(imagem: gartic.uol.com.br)

 

Benjamim doce passarinho

Benjamim é irmão mais novo do Miguel e recentemente começou a nos presentear com suas reflexões também:

No carro com a família, ouvindo uma música da cantora Tiê, que fala do nome dela.
Sua mãe pergunta:

– Você queria ter nome de passarinho, filho?

E ele, inspirado, responde:

– Mas eu tenho nome de passarinho! Nome de amor, de passarinho, de aleguia

Tarefa lusitana

Joaquim, com quatro anos e dois meses, procurando um brinquedo:

– Mãe, onde está o meu cavalo?
– Filho, eu não sei.
– Mas onde você guardou?
– Eu não guardei nenhum brinquedo. Essa tarefa está nas suas mãos.

(Joaquim olha apavorado para as mãos)

– Não tá! Não tá, mãe, olha!!!

maos

(imagem: pixabay.com)

 

Tiro ao álvaro no museu

Cauã, com 5 anos e meio, foi ao museu e observou muitas coisas.

– O que você viu no museu? – pergunta sua madrasta.

– Desenhos de gente morta. – responde Cauã.

– Que tipo de desenho?
– Tinha um que… “♪ ♫ de tanto levar, flechada do seu olhar ♪ “… FLECHADA! Ele morreu com 5 flechadas!

(E viva São Sebastião, retratado com flexas no peito).