Diversas da Mariana

Mariana vive na França com seus pais e com o irmão Pedro. Bastante esperta e observadora, ela compartilha ótimas contribuições filosóficas no auge dos seus dois e três anos…


Em um momento psicanalítico:

– Pedro, a mamãe é sua e o papai é meu.
(E pensar que Freud teve que estudar tanto pra descobrir isso…)


Constatando a  anatomia humana:

– O Papai tem pipi.
– É, o papai tem pipi.
– O Pedro tem pipi.
– É, o Pedro tem pipi.
– A Mariana tem umbigo!


Constatando a limitação de um eletrodoméstico,
apontando para o freezer lotado:

– Não tem cabimento. Acabou o cabimento. Acabou!


Exercitando a língua:

Mariana:
– Caralho, Papai.
André:
– Filha, você tá falando palavrão?
Mariana:
– Não, inglês.


PiLico!

Ian (2 anos e 5 meses) no sábado:
– Mamãe, eu tô ficando gande, poque eu vô apendê a fazê cocô no piLico!
– Sim, meu amor! – diz a mãe empolgadíssima já pensando em acender uma vela p/ Nossa Senhora do desfralde natural…

Ian no domingo:
– Vô fazê cocô…
– Oba, filho! Vamos pro penico?!
– Não, mamãe – e fazendo carinho no rosto da mãe, completa – eu não sou gande não, eu quelo fazê na faldinha, tá bom?

toilet-paper
(E la vamos nós com dois passos p/ frente, um p/ trás, muitas fraldas mas também muita fofurice 🙂 )

Trocar a fralda

Melina tinha dois anos e resolveu brincar no quarto dos pais enquanto eles trocavam de roupas.

De repente, quando seu pai estava de cuecas procurando uma calça para vestir, ela começa a brincar de “túnel”, passando por debaixo de suas pernas.

– Cuidado aí, hein, filha! Não vai machucar o papai…

– Agaá! – responde Melina, empolgadíssima, engatinhando de um lado para outro.

Logo em seguida, ela resolve levantar-se bem no meio do “túnel”, erguendo-se pelas pernas do papai.

– Filha, não!

Mas já era tarde, ela já está com as mãozinhas bem direcionadas àquela região tão protegida pelos homens nos jogos de futebol.

Seu pai, “petrificado” procura em vão a ajuda da esposa, que a essa altura já enfiou o rosto no travesseiro para abafar o riso.

– Ãh… filha… é…

Melina, com uma carinha de quem acabara de descobrir algo muito importante, simplesmente pergunta:

– Tá com “totô”, papai???

Sangue e ossos

Theo, continuando suas explorações anatômicas:

– Vamos brincar, pai? – convida o mocinho.

– Theo, o papai não pode brincar agora, porque ele tá com o dente sangrando. – explica sua mãe.

(pausa reflexiva)

– Ô mãe, o dente é feito de osso, osso não sangra!

– Tem razão, mas o dente fica na gengiva e a gengiva dele tá sangrando, porque o dentista mexeu lá e saiu sangue.

(nova pausa)

– E onde fica a gengívia? (coloca a mão) Aqui embaixo dos lábio?

Tênis desamarrado

Hora do recreio. Bruna está amarrando o tênis de Gustavo, quando a professora chega e fala:
– Ai, ai, ai, dona Bruna. De novo amarrando o tênis do Gustavo?! Desde que vocês fizeram parzinho na festa junina que você faz tudo para ele… Desse jeito ele não vai aprender mais nada.
Gustavo olha para a professora com um largo sorriso no rosto e diz:
– É que ela me AMA!!!

Consertando

Davi, com quatro anos e dez meses, conversando com sua mãe:

– Mamãe, quando as pessoas ficam doentes existe conserto?
– Para cada tipo de doença, existe um tratamento que “conserta” – explica sua mãe, que também pede: – filho, coloca suas meias que está frio, pra você não ficar doente.
– Não vou colocar! Como eu fico doente? Com gripe?
– Sim.
– Hummmm… – pensou, pegou as meias, pediu ajuda pra recolocar e perguntou novamente: – Mamãe, quando a gente quebra alguns fósseis tem conserto?

consertar

(imagem: gartic.uol.com.br)