Histórias da Mano

Manoela também coleciona histórias de crianças e compartilhou algumas aqui com a gente:

Certa vez, ela foi contar histórias para as crianças da primeira série de uma escola, que estavam estudando os contos de fada. Contou duas: um conto de fadas e um conto popular e, em seguida, propôs uma conversa:

– Essa segunda história é um conto de fadas?
– Nãããão! –  As crianças responderam
– Por que não?
E, então, um menininho se levantou e disse:
– Porque nela não tem mágica, só tem esperança.
Outro dia, em um buffet infantil onde Mano trabalhou, os monitores fizeram uma proposta: 
– Quem quer desenhar?
E um menino, chamado Caio e de 5 anos, respondeu sério com outra pergunta:
– Depende. É uma atividade?
– Como assim? – perguntou Manoela.
– Porque se for atividade eu não quero. Odeio atividade!

País zinho

Delícias da sala de aula da prof. Nanci:

– Nanci, sabe qual é o mais menor país do mundo? – pergunta um aluno de 6 anos.
– Não existe “mais menor”. – explica a professora.
– Ah tá, mais pequeno!
– Ainda não, pode melhorar…
– Ah, sei, menor!!!
– Isso! E qual é o menor país do mundo?
– Aiaiaiai, é tanta coisa pra falar que agora esqueci o país!

Mas no dia seguinte ele fez melhor, levou um livro para ajudar a responder e declarou animado:


– Aqui ó, é o Plutão!

Futebol geográfico

O Pedro, com 3 anos e meio, estava em Florianópolis conversando com o Jairo, amigo da sua mãe, e resolveu contar algo que estava acontecendo na sua casa. Para entender melhor, o Jairo pergunta:

– Lá em São Paulo, Pedro?

De repente, ele fica muito bravo e responde:

– Nããão, Xão Paulo, não!

– Ué, mas como é o nome da sua cidade, então? – quis saber Jairo.

Nessa hora a cara feia desaparece, ele abre um sorrisão e diz:

Corinthiaaassss

Fases da Lua

Rita, com dois anos, já se interessava pelos fenômenos da natureza e demonstrou uma percepção que pode enriquecer o trabalho de muitos astrônomos.

Certa vez, passeando com seu pai à noite, ela prestou atenção na Lua, que estava naquela fase  em que vemos metade do disco, no período em que a parte iluminada está em crescimento, e disse:

– Olha, papai, a Lua Risente!

Tiro ao álvaro no museu

Cauã, com 5 anos e meio, foi ao museu e observou muitas coisas.

– O que você viu no museu? – pergunta sua madrasta.

– Desenhos de gente morta. – responde Cauã.

– Que tipo de desenho?
– Tinha um que… “♪ ♫ de tanto levar, flechada do seu olhar ♪ “… FLECHADA! Ele morreu com 5 flechadas!

(E viva São Sebastião, retratado com flexas no peito).

Tarefa lusitana

Joaquim, com quatro anos e dois meses, procurando um brinquedo:

– Mãe, onde está o meu cavalo?
– Filho, eu não sei.
– Mas onde você guardou?
– Eu não guardei nenhum brinquedo. Essa tarefa está nas suas mãos.

(Joaquim olha apavorado para as mãos)

– Não tá! Não tá, mãe, olha!!!

maos

(imagem: pixabay.com)