Buraquinho

Clara com 2 anos e pouco, explorando sua propria orelha…

 – Mamãe, minha orelha quebrou!

 – Imagina filha, mostra pra mim…
(Clara mostra o buraquinho do ouvido)

– Ah filhota, é só o buraquinho da orelha, todo mundo tem.

 – Mamãe, deixa eu ver seu buraquinho? O papai também tem buraquinho?
orelha
(história enviada pela Graziela)

Fada do dente

No consultório odontológico, a mãe do Lucas, de 6 anos, pediu para a dentista falar da Fada do Dente durante a consulta:

– Lucas, a tia vai tirar seu dentinho e depois você pode colocar ele embaixo do seu travesseiro. Durante a noite, a Fada do Dente vai pegar o seu dente e deixar 1 Real no lugar.

– Sério, tia?

– Sério, Lucas!

– Tia, todos os meus dentes vão cair?

– Quase todos.

– Eu tenho mil dentes?

– Não…

– Droga! Eu preciso de mil reais pra comprar meu videogame, se eu tinha mil dentes dava…

1real

(história enviada pela Alessandra)

 

Chocolate desobediente

Ceci, com 1 ano e 11 meses, acabou de conhecer o sabor dos chocolates e ganhou um bombom do avô. Sua mãe logo explicou:

– Ceci, agora não. Só depois do jantar.

Passado um tempo, a mãe desconfia do silêncio e vai até a sala ver o que está acontecendo.
Quando chega vê a menina abrindo o bombom não autorizado… Ceci, ao perceber a presença da mãe, joga o chocolate longe e diz com cara de brava:

Cocoiate, fica aí!!!!!

cocoiate

Cambueta!

Na brincadeira com o pai, Ian, com 2 anos e 7 meses, pula e cai de ponta-cabeça no chão de E.V.A.
– Tudo bem, filho? – pergunta o pai.
– Tudo bem. Eu fizi uma cambueta! – responde Ian.
Cambueta?
– É. Ingual aquela música: “Uma cambueta, duas cambuetas, bavão, bavão!

cambalhota
Ouça a música original aqui

Reflexões matinais

Theo, com 5 anos e meio, ainda na cama com suas reflexões matinais e conversando com a mãe cheia de sono:
– Mãe, pra que servem os números? Pra contar as coisas?
– Sim.
– E pra que servem as tintas? Pra pintar as coisas?
– Sim.
– E pra que servem as letras? Pra escrever as coisas?
– Siiim…
(Falando e rindo sozinho) – Ai, ai, ai… Quanta coisa cabe na minha cabeça!

Depois do café da manhã, ele foi ver uma semente que achou na floresta e plantou com o pai:
– Nossa! Nasceu um galho! Bem grande!
– É grande mesmo e cresceu muito rápido! Acho que essa semente é de uma planta igual ao pé de feijão mágico e vai chegar na casa do gigante, hein, Theo?
– Ahhh, mãe, isso não existe… mas existe que é semente mágica, isso sim!

feijao