Casaco cardíaco

Miguel e Benjamim resolveram brincar de “o que é o que é” com a madrinha do Benjamim, Manoela.

Com 3 anos recém completos, Benja não conseguia muito participar do jogo, mas quis ficar assistindo. Já Miguel, com 5 anos, logo pegou o jeito de fazer adivinhas, mesmo depois do seu repertório ter acabado. 
Passado um tempo de brincadeira, olhando fixamente para o casaco da Manoela, o Miguel perguntou:


– O que é o que é, tá no corpo, mas abre de um jeito diferente?

E o Benjamim respondeu animado:
 

– Essa eu sei! É o colaxão!

Miguel, partos e reencarnações

Miguel, após conhecer sua prima que acabara de nascer e mostrando-se bem informado sobre a fisiologia reprodutiva feminina:
– A Jaci, com essas bochechas enormes…nossa…deve ter sido difícil passar pela xoxota da tia Nani pra nascer!
E recorrendo a “filosofia reencarnacionista” para argumentar com sua mãe:
– Mãe, sabe porque eu não posso dar para o Benjamim essa bicicleta que ficou pequena para mim? Porque quando eu morrer e nascer outra vez, eu vou ter 5 anos de novo, então, tenho que deixar ela guardadinha.

Antenas

O Miguel, agora com cinco anos, continua bem inspirado em suas conversas…

Outro dia, passeando pela rua com a avó Célia,  ele mostrou umas antenas da Embratel e perguntou:

– Celinha, sabe para que servem essas antenas?
– Para quê? – quis saber sua avó

E, tranquilamente, ele explicou:

É para discutir o mundo.

Inspirações do Miguel

E o Miguel continua inspirado em suas reflexões sobre a vida, Deus e outras “cositas más”…
Dia desses ele acordou e, antes mesmo de escovar os dentes, explicou para seus pais:
“Não se preocupem com o serêm, tudo será, tudo vem”. 
 

No mês passado, percebeu uma bonita relação na fauna que nos rodeia e lançou a ideia:

“Na terra vivem os tatus, na vida vivem as borboletas, os passarinhos e as águias”.
E, certa noite, ficou pensativo e fez um convite para sua mãe:
 
– Mãe, um dia, quando tiver de noite, a gente pode ir lá fora ver se Deus manda gases pra gente?
 
-Manda gases? – quis entender a mãe.
– É, lembra um dia que a gente foi no sitio da Sissi e Deus mandou gases pra gente que explodiam no céu assim: pow, pow, pow! E era colorido!

Corpo briguento

Além de cozinhar, o Miguel também gosta de brincar com seu irmão, Benjamim. Mas, como geralmente acontece nas melhores famílias, as vezes eles se desentendem e precisam explicar para os pais o que aconteceu…

Dia desses, a mãe dos meninos estava arrumando algumas coisas enquanto eles brincavam e, de repente, ouve um choro forte. Quando vê que é o Benjamin quem está chorando, logo quer saber:

– Migue-el, o que aconteceu?

E o Miguel dá a explicação:

– Nada, mamãe… (pausa)… Foi só uma parte do meu corpo que machucou o meu irmão!

(Se ele tivesse conversado com a Sofia, poderia tentar a história do carinho rápido, né?)

Alta Gastronomia

Miguel, com 4 anos, estava descobrindo a alta gastronomia. Um dia, depois de preparar um delicioso sanduíche de bolacha de água e sal recheada com uva passa, ele chamou sua mãe e disse:

– Olha o que eu fiz, experimenta mãe! 

– Hum…que delicia!  – observou a mãe, depois de provar a invenção.

E, sem modéstia, ele concluiu:

– Viiiiu! Eu sou um cozinhor!

Miguel, a morte e o sentido da vida

Quando a bisavó do Miguel morreu, ele tinha 3 anos e meio e quis entender melhor tudo o que estava acontecendo conversando com seus pais:

– Por que vocês enterraram a minha bisavó na areia?

– Porque ela morreu, filho.

– E por que ela morreu?

– Porque estava velhinha

– E por que ela tava velhinha?

– Porque nasceu faz tempo.

– E por que ela nasceu?

Diante dos intermináveis porquês, a mãe do Miguel resolveu devolver a pergunta:

– Por que você nasceu, Miguel?

E, animado, ele responde:

Pá bincá, pá durmi, pá acordá quando tiver de dia!

…………………..

E, já com 4 anos, ele retomou com os pais a conversa sobre a morte e o morrer…

– Todo mundo no mundo inteiro vai morrer, mãe?
– Sim, filho, quando fica velhinho, todo mundo morre.

– Todo mundo mesmo?

– Todo mundo.

– Ahhhh, mas eu sei de uma pessoa que nunca vai morrer.

Nesta hora, a mãe do Miguel pensou que ele iria dizer ele mesmo, ou ela, mas ele logo completou:

–  O Papai Noel!