Fada do dente

No consultório odontológico, a mãe do Lucas, de 6 anos, pediu para a dentista falar da Fada do Dente durante a consulta:

– Lucas, a tia vai tirar seu dentinho e depois você pode colocar ele embaixo do seu travesseiro. Durante a noite, a Fada do Dente vai pegar o seu dente e deixar 1 Real no lugar.

– Sério, tia?

– Sério, Lucas!

– Tia, todos os meus dentes vão cair?

– Quase todos.

– Eu tenho mil dentes?

– Não…

– Droga! Eu preciso de mil reais pra comprar meu videogame, se eu tinha mil dentes dava…

1real

(história enviada pela Alessandra)

 

Diversas da Mariana

Mariana vive na França com seus pais e com o irmão Pedro. Bastante esperta e observadora, ela compartilha ótimas contribuições filosóficas no auge dos seus dois e três anos…


Em um momento psicanalítico:

– Pedro, a mamãe é sua e o papai é meu.
(E pensar que Freud teve que estudar tanto pra descobrir isso…)


Constatando a  anatomia humana:

– O Papai tem pipi.
– É, o papai tem pipi.
– O Pedro tem pipi.
– É, o Pedro tem pipi.
– A Mariana tem umbigo!


Constatando a limitação de um eletrodoméstico,
apontando para o freezer lotado:

– Não tem cabimento. Acabou o cabimento. Acabou!


Exercitando a língua:

Mariana:
– Caralho, Papai.
André:
– Filha, você tá falando palavrão?
Mariana:
– Não, inglês.


Descoberta na banheira

Rio de Janeiro, aquele calor das músicas da Fernanda Abreu… E o Hugo, com 2 anos e pouco pediu para ficar mais tempo brincando na banheira. 
– Ok – responde qua mãe – mas eu vou lá na sala falar com a tia Cris e já volto.
Da sala, a tia do Hugo ouvia as risadas e o barulho de água sendo espalhada para todos os lados. 
Até que: silêncio… E um grito, com tom de desespero:
– Mamãe, mamãe, mamãe!

A mãe volta correndo e encontra o filho com as pernas levantadas e a mão no traseiro, dizendo:
– Mamãe, mamãe! Costura aqui! Tem um buraco no meu bumbum!

Diversas do Theo 4

Theo, com 3 anos e 9 meses, segue com suas contribuições…

Apresentando uma espécie de teatro:
– Preparem-se! Vai começar!
– Esperem-se! (arruma um brinquedo)
– Pronto! Olhem-se!

Voltando do cinema e contando sobre o filme:
– Foi bem legal, mas eu fiquei com um pouco de medo. Quando o jacaré apareceu, minha bunda pulou!

Narrando o movimento do elevador, quando foi buscar a pizza com o pai:
– Agora o elevador tá abaixando (na ida)
– E agora o elevador tá encimando (na volta).

Admirando o pôr do Sol:
– Olha, agora já tá anoiecendo!

Com uma virose forte e seu jeito dramático e metódico de ser:
Sua mãe fala:
– Filho, já vai melhorar, o Vô Luisinho vem te examinar aqui em casa e…
E ele responde muito preocupado e com voz de sofrimento: 
– Mas ele vem com roupa de médico?

Brincando de médico:
– Eu sou o médico, você é a enfermeira (para a mãe). Vou examinar esse bebê (pega um boneco).
– Ok, Dr. – responde a mãe.
– Enfermeira, pega o estetoscópico, por favor.
– Tá aqui, Dr.
– Obrigado. (examina o bebê). Ih, o bebê tá chorando. Enfermeira, canta uma música bem relaxosa pra acalmar o bebê, tá bom?

Montando um quebra-cabeça/livro:
– Essa peça é a maior de todas, é gigrande!

Criando palavras:
– Theo, pega a fita crepe lá no quartinho, por favor – pede a mãe.
– Onde? No quartinho da lavandeíra?

Em processo de recuperação da virose:
– Filho, como você está se sentindo?
– Ah, eu tô bem melhor, não tô mais molinho, não, já tô todo duro de novo.
 

PiLico!

Ian (2 anos e 5 meses) no sábado:
– Mamãe, eu tô ficando gande, poque eu vô apendê a fazê cocô no piLico!
– Sim, meu amor! – diz a mãe empolgadíssima já pensando em acender uma vela p/ Nossa Senhora do desfralde natural…

Ian no domingo:
– Vô fazê cocô…
– Oba, filho! Vamos pro penico?!
– Não, mamãe – e fazendo carinho no rosto da mãe, completa – eu não sou gande não, eu quelo fazê na faldinha, tá bom?

toilet-paper
(E la vamos nós com dois passos p/ frente, um p/ trás, muitas fraldas mas também muita fofurice 🙂 )

Histórias de Clarice…

Transcrevo aqui dois registros encantadores retirados do caderno de Clarice Lispector…
“1954 – no aeroporto quando íamos de férias para o Rio, ele vê uma menina e me diz furtivo, afobado:
– Olha, uma menina bonita!
Ficou agitadíssimo e disse:
– Mamãe, quando eu vejo uma moça eu até sinto o cheiro do meu paninho! (o pedaço de pano com que desde que nasceu, ele dorme. Quando o pano era lavado ele reclamava a ausência de cheiro. Uma vez disse: mamãe, o paninho tem cheiro de mamãe!)”
“Pedro.
– A palavra “palavra” é ex-possível!
– Ex-possível?
– É! Gosto mais de dizes ex-possível do que impossível! A palavra “palavra” é ex-possível porque significa palavra.”
LISPECTOR, Clarice. Outros Escritos (Organização de Teresa Montero e Lícia Manzo). Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

 

Cocô ligeiro

Com 3 anos, o Gabriel não conseguiu chegar até o banheiro, em um momento de “aperto”, e foi explicar o ocorrido para sua mãe. Com uma cara bem séria ele falou:

– Mamãe! O cocô não me avisou, ele foi para a minha barriga e correu para a minha cueca, foi muito rápido e ele não avisou, você tira ele?