Cedilha

Esses dias, o Caio (3 anos e meio) estava brincando com as letras do alfabeto e falou para sua mãe:

– Vou fazer um “o dilha”.

“O dilha? O que será isso?”, pensou sua mãe.

Então, observando os rabiscos do pequeno, entendeu que era a letra “Q”. Caio associou: se o cê-cedilha é um “C” com um risquinho embaixo e o “Q” é um “O” com um risquinho embaixo, logo, ele se chama “o dilha” 🙂

Idioma universal

A Bebel sempre foi conversadeira e, mesmo antes de aprender as palavras da Língua Portuguesa, já se comunicava com longos discursos no idioma dos bebês – o que seus pais batizaram de “bebeiês”.
 
Com dois aninhos e já craque no vocabulário brasileiro, ela viajou com os pais para Paris e se interessou bastante pelo idioma estrangeiro.

Tanto que já na primeira vez que vieram falar com ela em francês, ela respondeu sem inibição algo do tipo:

Badagu Loguiaxi blefxianhiem

E quando sua mãe perguntou o que eles estavam falando, a pequena respondeu com aquela carinha de “como assim? Você não percebeu???”:

Bebeiês, mamãe!

Diversas da Mariana

Mariana vive na França com seus pais e com o irmão Pedro. Bastante esperta e observadora, ela compartilha ótimas contribuições filosóficas no auge dos seus dois e três anos…


Em um momento psicanalítico:

– Pedro, a mamãe é sua e o papai é meu.
(E pensar que Freud teve que estudar tanto pra descobrir isso…)


Constatando a  anatomia humana:

– O Papai tem pipi.
– É, o papai tem pipi.
– O Pedro tem pipi.
– É, o Pedro tem pipi.
– A Mariana tem umbigo!


Constatando a limitação de um eletrodoméstico,
apontando para o freezer lotado:

– Não tem cabimento. Acabou o cabimento. Acabou!


Exercitando a língua:

Mariana:
– Caralho, Papai.
André:
– Filha, você tá falando palavrão?
Mariana:
– Não, inglês.


Multilinguismo

Desde que tinha seis anos de idade, Julia tem aulas de Inglês, Francês e Espanhol na escola.

Agora, aos sete, ela já se arrisca mais com os diálogos e está animada com as novas aprendizagens.

Sabendo de seu gosto por participar, a professora de Francês aproveitou para trabalhar um novo conteúdo, perguntando-lhe:

– Julia, aimes tu l´orange?

Sem pestanejar e muito animada por ter entendido tão rápido o que sua professora queria saber, ela responde:

– Si, je love!!!